Rua Erva Mularinha - Jardim Marília - São Paulo - SP (25/09/2014)


Deu que esses dias cometi este desenho de uma encruzilhada. Nela você pode escolher em qual rua entrar, vai depender do seu caminho. Jardim Marília é para cima, Brasília para baixo, Parque Savoy City descendo à esquerda e de onde eu estava era à beira do caminho. Fosse 5 horas da tarde a rua estaria abarrotada de carros, mas era cedo, algumas pessoas passavam, ônibus e lotações e de vez em quando um cão vadio. As calçadas são meio sujas por aqui, de modo que: esqueça o cheiro.
Diário Vagulino - desenho número 045 - O pai (10/08/2014)

2014 © João Pinheiro

Diário Vagulino - desenho número 044 - A mãe (10/08/2014)

2014 © João Pinheiro

O único caminho.
Cidade Líder, extremo leste de São Paulo. É andar. E andar... Ruas, postes e poeira. Calçadas estreitas, árvores raras aqui e ali que teimam meio curvadas. Uma região inteira ocupada sem planejamento. Ao longo dos anos foi implementada uma infraestrutura básica, mas não para todos. De sujeira as ruas estão cheias. De noite a iluminação é precária. Segundo estatísticas o risco de violência da Cidade Líder é de 28%, o quinto maior da cidade. Digo isso, pra início de conversa, para não dizerem que sou romântico e estou sendo condescendente com a minha quebrada, mas também tenho boas palavras pra essas beiradas escondidas.
Rua Quinta da Magnólia / Rua Valença do Minho - Jardim Brasília (27/01/2014)

Por aqui, giro com meu diário gráfico e canetas, recortando o cotidiano, desenhando paredes descascadas, pintadas de limo, casas mal acabadas, estacionamentos vazios, motéis baratos, postes, comércios de toda sorte, bares, cafeteiras e o que mais pintar...

Balcão da padaria Anjo da guarda - Cidade Líder (05/02/2014)

Escolher o que vai ser registrado não passa por um processo científico, a escolha se dá mais por um embrulho interno, mistura de senso estético, perspectiva, ângulos, linhas, intuição, batidas de coração, memória, muita memória... Isso se for tentar explicar o inexplicável, o que resulta em algo piegas e isso é irrelevante aqui. Não é como picar cartão, isso é tudo. Digamos que você ronda até bater com algum motivo que lhe interesse, algo que te toque no fundo. Veja bem, tem outra, por vezes sem conta, você gira, dá um puta rolê e nada lhe atraí, quando é assim não adianta empurrar com a barriga. Paciência, ué, fica para outro dia.

O material continua na mochila e você toca pra padaria pra tomar um café, comer um pão, antes de voltar ao trabalho. Noutras vezes você escolhe o local, arma o banquinho, saca as canetas, olha para a paisagem e começa a desenhar febrilmente, tudo vai fluindo, mas, espere... Por algum motivo, depois de alguns minutos, às vezes muito tempo, você percebe que o desenho não está dando certo. Como assim? Simples, não rolou, foi engano, você acha tudo uma bosta e decide abandoná-lo... Missão dada é missão cumprida? No caso de um trabalho como esse, acho que não é assim. Desenhar não se encaixa no processo de produtividade capitalista, está em outra esfera. Isso não quer dizer que foi um trabalho inútil, muito pelo contrário. Aquele desenho é como um poema que você guarda na gaveta para rever meses depois e talvez, ao revê-lo, descubra que ele não é tão mal assim. Nesse caso, paciência e disponibilidade, palavras chave. Quando se tem disponibilidade se desenha mais e melhor. Portanto, se for adentrar nesse terreno de desenhista urbano, cultivar um diário gráfico, registrar seu cotidiano ou seja lá como queira chamar essa atividade, precisa dedicar um tempo diário para tal tarefa. Meia, uma, duas horas, quatro, não importa. O que importa e se comprometer com aquela meia hora do dia, que seja, para desenvolver uma rotina de trabalho.

Rua Bilimbi / Rua Manuel Pinheiro de Albuquerque- Jardim Brasília (29/01/2014)

Avenida Waldemar Tietz - Cohab I (01/02/2014)

Gamelinha (07/05/2014)

Rua Pedro Luís de Sousa (16/06/2014)

Rua Valença do Minho - Jardim Brasília(16/06/2014)

Gamelinha (23/06/2014)

Artur Alvim (24/06/2014)


A ideia de carregar um caderno para onde quer que se vá, de desenhar nele e anotar ideias que surjam em plena área pública é muito bonita, me agrada bastante e fico contente em saber que tantas pessoas hoje em dia compartilham dessa minha paixão, aliás, um número cada vez maior, diga-se de passagem. O que essas pessoas estão fazendo? Registrando suas vidas? Tentando ver além da camada grosseira da nossa percepção comum? Registrando seu tempo? Anotando lembranças? Treinando o seu desenho? Criando arquivos de paisagens na mente? Transformando o olhar para as futuras gerações?  Certamente tudo isso e muito mais.